La’o Hamutuk

Bulletin  |  Surat Popular  |  Topic index  |  Reports & Announcements  |  Updates
Reference  |   Presentations  |  Mission Statement  |  LH Blog  |  Search  |  Home

La'o Hamutuk Statement to the Development Partners Meeting

Dili, 3-5 December, 2003

Portuguese translation

Discussion of Timor Sea oil

horizontal rule

Introduction

As we did at the last meeting, La’o Hamutuk joins the civil society of Timor Leste in welcoming you to our country and we thank you for your continuing support for the development of Timor Leste. We would like to use this opportunity to say a few words to our government, and also to express some thoughts for our development partners to consider.

La’o Hamutuk, The East Timor Institute for Reconstruction Monitoring and Analysis, is an East Timorese NGO which has monitored and analyzed the reconstruction and development process in our country since 2000, with a particular focus on international institutions.

First, we would like to express our unhappiness with the process through which the government selected La’o Hamutuk as the sole representative for local NGOs. Although we have reluctantly accepted this selection, we think it would be better in the future for the government to work with the NGO Forum to enable NGOs to select their own representative in a transparent and democratic process. Although we have consulted with other NGOs in preparing this presentation, the views expressed are the responsibility of La’o Hamutuk alone.

Financial support

As you know, Timor Leste’s government faces a budget shortfall in the years 2005-2007. We ask our Development Partners to continue and extend your budgetary support through the Transition Support Program. We hope you will share our vision that this support is not simply a gift from your generous taxpayers, but rather one way for the international community to compensate the people of Timor Leste for allowing Indonesia’s criminal and brutal occupation of our country to continue for 24 years.

Our democratically-elected government is the best institution to make decisions about how to spend public money in Timor Leste. We encourage development partners to review your bilateral and multilateral aid projects and plans, and to ensure that they conform with the National Development Plan and the current priorities of the government.

Timor Leste’s Resource Entitlement

The future economic independence of Timor Leste relies on this nation’s ability to utilize the natural resources in our territory in an ecologically responsible and sustainable way. This is the only way this country can meet the basic needs of our people without indefinite dependency on the generosity of our Development Partners. It is also intrinsic to our national sovereignty, for which so many struggled and gave their lives.

Timor Leste faces a budget shortfall for the years 2005-2007, since the international consultants who guided our national planning process did not anticipate likely delays in Bayu-Undan. That project is now behind schedule, as we now know is common for large petroleum developments around the world. We encourage our Development Partners to provide additional budgetary support to make up for this mistake, and not to force us to go into debt at the beginning of our nationhood.

In the medium- and long-term, the economic stability of Timor Leste requires that we receive full legal entitlement to our resources. We continue to be discouraged by Australia’s eagerness to steal our oil and gas, as symbolized by the rapid depletion of the Laminaria-Corallina oil field. This field would belong to Timor Leste under UNCLOS principles, but Australia has received approximately one billion U.S. dollars from it since 1999, making Timor Leste the largest foreign contributor to Australia’s national budget.

At the long-delayed first round of pre-negotiations three weeks ago Australia once again made it clear that they will resist an expeditious and fair settlement of our maritime boundaries. Our territorial limits cannot be constrained by agreements between other nations while we were under colonial or military occupation, nor by interim agreements to ensure that petroleum developments continue.

We ask our Development Partners to support the government of RDTL in urging Australia to: 1. Seriously and quickly negotiate a fair maritime boundary according to current international legal principles; 2. Rejoin legal processes for impartial resolution of maritime boundary disputes that cannot be settled by negotiation; 3. Stop exploitation, exploration, and the signing of new contracts for areas closer to the coastline of Timor Leste than to Australia, including Laminaria-Corallina, Buffalo, and areas NT/P65 (formerly NT02-1) and NT03-3. 4. Place any revenues the Australian government has received from these disputed areas in escrow, for future apportionment between Australia and Timor when the boundary has been settled; 5. Respect Timor Leste as a sovereign nation and equal negotiating partner, entitled to full rights and protections under international law, rather than taking unfair advantage of this nation’s size, inexperience and difficult economic situation.

Power Sector

We disagree with the World Bank’s recommendation to end subsidies for Electricidade de Timor Leste (EDTL). Electricity is essential to the economic development of Timor Leste. Although we agree that most people should pay for their electric use, nobody should be deprived of a basic level of service (lights and fans) for lack of money. Coercive billing practices, like pre-paid meters, hurt the very poor and have little effect on those who can afford to pay unsubsidized rates, such as businesses and middle-class people.

Justice

The majority of Timor-Leste’s people are victims of crimes against humanity committed in this country between 1975 and 1999. We hope the Development Partners will listen to our demand that the architects and perpetrators of these crimes be held accountable.

United Nations and Indonesian investigating commissions in 2000 recommended the establishment of an international tribunal if other processes prove ineffective, so we now ask the international community to make good on that promise. Both the Jakarta ad hoc tribunal and the UN-sponsored Special Panels and Serious Crimes Unit have been unwilling and/or unable to end impunity. More than three quarters of those indicted by the Serious Crimes Unit are receiving sanctuary in Indonesia.

We urge the international community not to run away from the process it initiated, but to use all available mechanisms, including economic and political pressure, to compel Indonesia to cooperate. If there is international political will to end the impotence of the Special Panels and Serious Crimes Unit, we encourage continued support for the Dili Serious Crimes process after UNMISET ends.

But since the processes thus far in Jakarta and Dili have not been able to bring the principal perpetrators to trial, we also reiterate our call for an international tribunal to try perpetrators of serious crimes during the Indonesian occupation of Timor-Leste. These crimes not only transgressed basic human rights and universal laws, but defied many United Nations resolutions. From May to October 1999, they brazenly violated the 5 May agreement between Indonesia, Portugal and the Secretary-General.

The international responsibility for justice has not yet been fulfilled. We urge Timor Leste’s Development Partners to be forthcoming not only with economic support, but also to accept the political responsibilities of this partnership, without with Timor Leste’s difficult birth and peace may be short-lived.

Conclusion

Over the next two years, Timor Leste will face difficult financial times. Our country needs the good will of our Development Partners to get through this period, so that we can emerge as a stable, self-sufficient nation. La’o Hamutuk encourages you to continue to support Timor Leste as you have done since 1999, so we can finally complete our struggle for true independence.

horizontal rule

Declaração para a Conferência dos Parceiros de Desenvolvimento Dezembro 2003

Introdução

Como fizemos no último encontro, o La’o Hamutuk se une a sociedade civil de Timor-Leste em dar as boas-vindas ao nosso país a todos/as vocês e agradecê-los/as pelo contínuo apoio ao desenvolvimento de Timor Leste. Nós gstaríamos de usar essa oportunidade para dizer algumas palavras ao nosso governo, e também para expressar algumas idéias para serem consideradas por nossos parceiros de desenvolvimento.

O La’o Hamutuk, Instituto para o Monitoramento e Análise da Reconstrução de Timor-Leste, é uma ONG timorense que tem monitorado e analisado o processo de reconstrução e desenvolvimento de nosso país desde 2000, com um foco particular nas instituições internacionais.

Primeiro, nós gostaríamos de expressar nosso descontentamento com o processo pelo qual o governo selecionou o La’o Hamutuk como único representante das ONGs locais. Apesar de termos relutantemente aceitado essa seleção, nós acreditamos que no futuro seja melhor que o governo trabalhe com o NGO Forum para possibilitar as ONGs que escolham seu próprio representante, em um processo transparente e democrático. Apesar de termos consultado outras ONGs na preparação dessa apresentação, as opiniões expressadas aqui são de responsabilidade apenas do La’o Hamutuk.

Apoio Financeiro

Como sabemos, o governo de Timor-Leste enfrenta uma redução no orçamento para os anos 2005-2007. Nós solicitamos aos nossos parceiros de desenvolvimento que continuem e prolonguem o apoio orçamentário através do Programa de Apoio a Transição (TSP). Nós esperamos que vocês compartilhem da nossa visão de que esse apoio não é simplesmente um presente dos seus generosos contribuintes, mas sim uma maneira da comunidade internacional compensar o povo de Timor-Leste por terem permitido que a brutal e criminosa ocupação indonésia de nosso país continuasse por 24 anos.

Nosso governo democraticamente eleito é a melhor instituição para tomar decisões de como gastar o dinheiro público de Timor-Leste. Nós encorajamos os Parceiros de Desenvolvimento a reverem seus planos e projetos de ajuda bilateral e multilateral, para assegurar que eles estejam de acordo com o Plano Nacional de Desenvolvimento a com as atuais prioridades do governo.

O Direito aos Recursos de Timor-Leste

O futuro da independência econômica de Timor Leste depende da habilidade dessa nação em utilizar os recursos naturais do nosso território de uma maneira ecologicamente responsável e sustentável. Essa é a única maneira com a qual esse país pode responder as necessidades básicas de nosso povo sem dependência infinita da generosidade de nossos Parceiros de Desenvolvimento. É também intrínsico à nossa soberania nacional, pela qual tantos lutaram e deram suas vidas.

Timor-Leste enfrenta uma redução orçamentária para os anos 2005-2007 devido ao fato dos consultores internacionais que guiaram nosso processo de planejamento nacional não anteciparam prováveis atrasos em Bayu-Undan. Esse projeto está atrasado, o quer, agora sabemos, é comum em grandes projetos de desenvolvimento de petróleo em todo o mundo. Nós encorajamos nossos Parceiros de Desenvolvimento para que forneçam apoio orçamentário adicional para compensar esse erro, e não nos force a contrair uma dívida no início dea construção de nossa nação.

A médio e longo prazo a estabilidade econômica de Timor-Leste exije que recebamos total direito legal a nossos recursos. Nós continuamos a ser desencorajados pela ânsia da Austrália em roubar nosso óleo e gás, como foi simbolizado pelo rápido esgotamento da reserva de óleo Laminaria-Corallina. Essa reserva deveria pertencer ao Timor-Leste pelos pricípios da UNCLOS, mas a Austrália tem recebido aproximadamente um bilhão de dólares americanos dessa reserva desde 1999, tornando Timor-Leste o maior contribuinte internacional para o orçamento nacional da Austrália.

Na tão adiada primeira rodada das pré-negociações três semanas atrás, a Austrália tornou claro uma vez mais que irá resistir a um acordo justo para nossas fronteiras marítimas. Nossos limites territoriais não podem ser limitados por acordos que outras nações fizeram enquanto estávamos sob ocupação colonial ou militar, nem tampouco por acordos provisórios com o intuito assegurar que o desenvolvimento de projetos petrolíferos continuem.

Nós solicitamos a nossos Parceiros de Desenvolvimento que apoiem o governo da RDTL em insistir que a Austrália: 1. Sériamente e rapidamente negocie uma fronteira marítima justa, de acordo com os atuais princípios legais internacionais; 2. Associe-se novamente aos processos legais para uma resolução imparcial das disputas de fronteira marítima que não possam ser acordadas por negociação; 3. Páre a exploração e as assinaturas de novos contratos em áreas que estão mais próximas da costa de Timor-Leste do que da Austrália, incluindo Laminaria-Corallina, Buffalo, e as áreas NT/P65 (antiga NT02-1) e NT03-3. 4. Coloque toda a receita recebida pelo governo do Austrália por essas áreas disputadas em depósito, para futura divisão entre Austrália e Timor quando a fronteira estiver estabelecida; 5. Respeite Timor-Leste como uma nação soberana e um parceiro de negociação a altura, com direito a todos as garantias e proteções internacionais, ao invés de tomar vantagem injustamente do tamanho dessa nação, da sua inexperiência e dificuldades econômicas.

Setor de Eletricidade

Nós discordamos das recomendações do Banco Mundial para que se terminem os subsídios para a Electricidade de Timor-Leste (EDTL). Eletricidade é essencial para o desenvolvimento econômico de Timor-Leste. Apesar de concordarmos que a maioria das pessoas devem pagar pelo uso da eletricidade, ninguém deve ser privado de um nível básico de serviço (luzes e ventoinhas) por falta de dinheiro. Práticas coercivas de cobrança, como medidores pré-pagos, afetam ao mais pobre e têm pouco efeito naqueles que podem pagar taxas não subsidiadas, como comerciantes e pessoas de classe média.

Justiça

A maioria das pessoas de Timor-Leste são vítimas de crimes contra a humanidade cometidos nesse país entre 1975 e 1999. Nós esperamos que os Parceiros de Desenvolvimento escutem nossa demanda de que os arquitetos e perpetradores desses crimes sejam responsabilizados.

As comissões de investigação das Nações Unidas e da Indonésia em 2000 recomendaram o estabelecimento de um tribunal internacional se outros processos se provarem ineficazes, portanto nós agora solicitamos à comunidade internacional que cumpra essa promessa. Tanto o tribunal ad hoc de Jakarta como os Painéis Especiais e a Unidade de Crimes Graves patrocinados pela ONU tem sido relutantes e/ou incapazes de pôr fim a impunidade. Mais de três terços de todos os indiciados pela Unidade de Crimes Sérios estão recebendo santuário na Indonésia.

Nós insistimos que a comunidade internacional não dê as costas a um processo que já foi iniciado, mas que use todos os mecanismos disponíveis, incluindo pressão econômica e política, para convencer a Indonésia a cooperar. Se houver vontade política internacional para pôr fim a impotência dos Painéis Especiais e da Unidade de Crimes Sérios, nós encorajamos que se continue o apoio ao processo de Crimes Sérios de Dili depois que a UNMISET termine.

Mas uma vez que os processos de Jakarta e Dili até agora não foram capazes de levar os principais perpetradores a julgamento, nós também reiteramos nossa chamada por um tribunal internacional para julgar os perpetradores de crimes sérios ocorridos durante a ocupação Indonésia de Timor-Leste. Esses crimes não apenas transgrediram direitos humanos básicos e leis universais, mas desafiaram muitas resoluções das Nações Unidas. De Maio a Outubro de 1999, eles descaradamente violaram o acordo de 5 de Maio entre Indonésia, Portugal e o Secretário Geral.

A responsabilidade internacional por justiça ainda não se cumpriu. Nós insistimos aos Parceiros de Desenvolvimento de Timor-Leste que estejam disponíveis, não apenas com apoio econômico, mas também para aceitar as responsabilidades políticas dessa parceria, sem a qual o difícil nascimento e a paz de Timor-Leste podem ter vida curta.

Conclusão

Nos próximos dois anos, Timor-Leste enfrentará tempos difíceis finaceiramente. Nosso país precisa da boa vontade de nossos Parceiros de Desenvolvimento para ultrapassar esse período, para que possamos emerger como uma nação estável e auto-suficiente. O La’o Hamutuk encoraja a todos/as vocês para que continuem o apoio ao Timor-Leste, como vocês têm feito desde 1999, para que possamos finalmente completar nossa luta por total independência.

The Timor-Leste Institute for Development Monitoring and Analysis (La’o Hamutuk)
Institutu Timor-Leste ba Analiza no Monitor ba Dezenvolvimentu
Rua D. Alberto Ricardo, Bebora, Dili, Timor-Leste
P.O. Box 340, Dili, Timor-Leste
Tel: +670-3321040 or +670-77234330
email: 
info@laohamutuk.org    Web: http://www.laohamutuk.org    Blog: laohamutuk.blogspot.com